Desde 2006 servindo algumas lasanhas e muitas abobrinhas.

Marcadores

sexta-feira, 21 de dezembro de 2007

A Amy Winehouse nossa de cada dia.

Ultimamente, quando se fala em Amy Winehouse, sempre se associa à: escândalos, consumo excessivo de álcool e drogas, tatuagens, a magreza, o penteado, etc. E não é à toa! Todos os dias somos brindados com um novo fato sobre ela e/ou a prisão do marido.

No fundo, todas essas notícias de consumo de drogas, escândalos, cancelamento de shows é sobre um só assunto: a entrega da cantora ao amor que sente ao marido. Por que ela não só ama, ela se entrega completamente à esse relaciomento, agindo de uma maneira muito contraria a razão. Como se a razão tivesse vez quando se está arrebatadoramente apaixonada!

É conhecido que o álbum maravilhoso "Back to black" foi composto quando Amy estava em plena dor-de-cotovelo por estar separada de Blake, seu marido. Na verdade, ela queria era um "Back to BLAKE". E como esse sentimento de perda, de desespero, essa dor tão íntima é conhecida por todos, não foi difícil se identificar pelas canções do álbum. Canções emoduradas pela voz marcante de Amy.

E agora, que o cara está preso, de novo todo aquele tormento se faz, mas agora de maneira pública, já que o "B2B" a tornou famosa fora da Inglaterra. Cenas de choro, porres, declarações desmedidas de amor, o sofrimento é logo divulgado pelos tablóides para todo o mundo.

Em tempos de tanta indivuidualizada, confesso que me comove tanta demostração de entrega e sentimento. Mesmo que seja feito de uma maneira bem destrutiva e, até, mortal. Atualmente, as pessoas para sobreviverem tem se tornado cínicas e se armam de todas maneiras, como forma de defesa. E vemos Amy Winehouse me lembrando e me qustionando do que também vale tanta racionalidade e pseudo-controle.

Eu tenho uma amiga chamada Roquelina que me disse certa feita: "Tudo que as mulheres querem não é poder e sim serem amadas!" Na hora eu discordei, mas ouvindo Amy essa minha opinião fraqueja!

Realmente, estamos conseguindo o sucesso profissional, temos nossa grana, o controle do tamanho de nossas saias e tudo mais que a emancipação feminina nos trouxe. Mas, só isso está nos trazendo a felicidade? Será que o grande sonho feminino é ainda se casar, adotar o sobrenome do marido e ter filhinhos?

Enquanto pensa sobre o assunto, esse vídeo altamente passional:

"Love is a losing game"


Tradução pelo site do Terra:

O Amor É Um Jogo De Azar

Para você eu fui uma chama
O amor é um jogo de azar
Cinco andares pegaram fogo quando você veio
O amor é um jogo de azar

Por que eu desejo nunca nunca ter jogado?
Oh, que bagunça nós fizemos
E agora a cena final
O amor é um jogo de azar

Tocado pela banda
O amor é uma mão de jogo perdida
Mais do que eu poderia agüentar
O amor é um jogo de azar

Auto-confessado... profundo
Até as fichas acabarem
Saiba que você é um apostador
O amor é uma mão de jogo perdida

Apesar de estar bastante cega
O amor é um destino resignado
Memórias prejudicam minha mente
O amor é um destino resignado

Apesar das probabilidades fúteis
E das risadas dos deuses
E agora a cena final
O amor é um jogo de azar

4 comentários:

Silêncio de Chumbo disse...

eu ainda não consigo ver alguma graça nessa mulher....

André disse...

Não será esse, ainda, o desejo de todos os seres humanos? Estamos andando, paulatinamente, para uma sociedade onde as relações são rápidas, descartáveis, diria, até, superficiais.
Porém, ao mesmo tempo, noto que temos necessidade de estabelecer laços, e acho que existe um conflito atualmente nesta dualidade do "estável" e do "mutável", da liberdade individual, do desprendimento, e da busca por alguma estabilidadem, confiança em um semelhante.
Enfim. =]
Não conheço ela, mas gostei do texto.

abç!

B disse...

Po Van, li a citação d Rock, ficou massa no texto, caramba, como vc escreve e s expressa bem...
Mas o poder nao deixa d fascinar a mulher, um homem c poder, e nao apenas no sentido d grana, mas aquele + profundo, d ser decidido, firme, saber o q quer, isso sim deixa qualquer mulher fascinada, ate pq os homens, nao sao tao homens assim, e exigem das mulheres serem super mulheres.
Bjao
Te AMO!

Lucas disse...

Eu curto bastante a amy winehouse... talvez eu curta todas as pessoas que se entreguem a destruição dessa forma. Gostei da sua opinião, é uma opinião bem pessoal e fora do lugar comum...

To assinando o feed do seu blog, abraços!